Blog

RENATA CORDEIRO



Maurícius: Praias esmeralda e muito mais!

Imagine ondas imensas rumando para uma ilha paradisíaca. Agora coloque ao redor de toda essa ilha uma cerca, isso, uma cerca de recifes que façam com que essas ondas, com poder destruidor, desembarquem mansas, dóceis e num tom verde inacreditável nas areias brancas. Assim é o arquipélago de Maurício, no Oceano Índico, um pouco pra lá de Madagascar e da África. Um paraíso protegido, esmeralda e multi cultural.

img-20170107-wa0001
Já ao desembarcar o tamanho do aeroporto nos dá a ideia de não estar numa ilhota perdida. Com informações em inglês, francês, indiano e chinês a gente percebe algo diferente. É que a ilha, conquistada por portugueses foi depois habitada por holandeses, franceses e ingleses que guerrearam e fecharam um acordo: domínio inglês com direção do lado direito e tudo, mas com língua e código civil francês. Loucura, né? Pra melhorar o povo local criou o creole, uma mistura de francês com outras cositas que você não entende e a mão de obra barata é maciçamente indiana. É um caldeirão.
Mas a comunicação é fácil, até a segurança do supermercado entende e fala inglês.

Dica 1: se for alugar um carro, pague mais e pegue um automático. Facilita muito!

img-20170107-wa0008
Agora tire suas roupas formais pra mergulhar nesse mar transparente, por vezes leitoso mas sempre verde! No lado leste e norte ficam as praias com menos vento, no oeste alguns paraísos de kitesurf e outras baías absolutamente lindas e serenas. Aliás é muito louco por que você pode estar na areia e girar o corpo apenas cinquenta metros para outra direção e terá uma praia com muuuito vento e outra sem brisa alguma. O desenho, o recorte da costa em direção ao vento predominante é que define. O passeio obrigatório à Ile aux Cerfs, uma ilhota de areias brancas que deixam ainda mais intenso o verde do mar pode ser feito em catamarãs com muita gente ou pode-se ir de carro a um ponto de embarcação e contratar um barco. Vale muito a pena ir e lá você sentirá essa diferença do vento intensamente. Só não caia na história do churrasco que nada mais é do que frango, meio seco, bastante temperado… não vale a pena.
Se o seu esporte é stand up paddle, lá é o paraíso! Apesar da correnteza em algumas praias, o sup pode ser praticado na maioria da ilha em suas águas de piscina.
Se for kite, Anse La Raie é bom para aprender e praticar.
Para os amantes do mergulho e snorkel a ilha reserva lugares ótimos contanto que você não seja tão friorento como eu! Não que a água seja fria, como no Rio de Janeiro costuma ser, mas ela não é quente, portanto eu não aguento ficar por longos períodos, como no Caribe ou até no Hawai.
Agora, se como eu, foi em lua de mel…. é perfeito! Todas as praias são lindas, é limpo, não tem violência e quando não abrir o sol, aproveite tudo o mais que a ilha oferece (outra diferença em relação ao Caribe que muitas vezes só tem o mar como diversão).
Existe um parque lindo, Chamarel, que tem como maior atrativo a Terra Das Sete Cores, com montanhas coloridas que vão do amarelo ao roxo. No caminho tem-se a visão de uma linda cachoeira e num mirante na estrada onde se vê Maurício se estender até o mar em sua beleza.

img-20170107-wa0003

 

 

img-20170107-wa0000
O Casela Park é bem turístico o que não denigre ninguém, afinal… lá somos o que?
Nesse parque você pode ver desde rinoceronte branco e tartarugas gigantes até girafas, pavões exibidos aos montes e ainda passear, tocar em leões adultos e filhotes. Um seguidor disse que eles ficam dopados. Claro que ele não esteve lá nem nunca viu um felino dopado senão não diria isso… Os animais que passeiam com a gente são filhotes (apesar do tamanho) de pouco mais de um ano, acostumados desde sempre ao convívio humano. Mesmo assim só pessoas com mais de um metro e cinquenta são habilitadas – senão podem dar a impressão de serem presas fáceis- e regras são ensinadas. Não pode tocar em orelhas, rosto, não se deve abaixar em frente ao animal e etc… Amei!!!

img-20170107-wa0007

img-20170107-wa0006

img-20170107-wa0004
Aliás, reparei que em algumas jaulas ficam tratadores parados, mexendo no celular, talvez para manter a constante presença humana junto aos bichos. Steeve, nosso guia, disse que esse passeio não poderia ser feito com tigres que desde muito cedo são ferozes e me contou que 41 leões já nasceram em Casela, o que prova que lá os animais se sentem em casa.
A comida na ilha pode ser outra atração! Para meu marido que ama cozinhar o supermercado oferece os melhores artigos do oriente ao ocidente. Mostarda, pão e foie gras franceses, curry indiano e baunilha e rum, duas grandes produções e de qualidade locais.
Os bons restaurantes- e são muitos- tem o toque francês misturado com o creole e os temperos orientais. Amamos a comida do Domaine De Labourdonnais, restaurante que fica ao lado do museu/refinaria de rum do mesmo nome. O lugar é lindo, com belo jardim e a comida é divina!
Mas e as praias?

img-20170107-wa0009
São todas públicas! Durante a semana vazias e nos fins de semana bombam com churrasco e “pagode” como aqui. A diferença é que as que ficam em frente a casas e hotéis não tem acesso direto, portanto mais reservadas, mas você pode ir pela beirinha, ás vezes tendo que molhar o pé, dependendo da maré, mas vale muito a pena!
É só margear e você sai da galera da linda Grande Baía para chegar na mesma praia, bem sossegada do Royal Palm Beachcomber ou encontrar paraísos como de Pointe d’Esny.
Blue Bay é linda, Mont Choisy, Trou aux Biches, Le Morne – onde duzentos negros fugitivos se mataram quando acharam que iam ser capturados por soldados que foram ao local avisar do fim da escravidão – e outros tantos paraísos devem ser explorados. Se tiver vontade de conhecer tudo, como eu, rode a ilha de carro e a pé.

Dica2: existe um aplicativo chamado maps.me onde você baixa o mapa da ilha e se locomove off line. Dá certo! Só não se assuste. Tem muita ruela, casas feias e templos em todo lugar quando você sai da orla, mas não existe perigo, a não ser para os olhos apreciadores das belas paisagens… Eu sempre gosto de provar o lugar no que tem de lindo ou não.
Se preferir tem resorts maravilhosos em que você não precisa se mexer pra ser feliz.

 
Mas a Dica3 é: vá!! As Ilhas Maurício são um paraíso adorável e inesquecível!!

Compartilhe:Email to someoneShare on FacebookPin on PinterestGoogle+Tweet about this on Twitter

Posts Relacionados